As Fake News e seus danos

Com o surgimento da internet e redes sociais, o fluxo de informação aumentou consideravelmente. A imprensa tem o dever de garantir a informação no mais extensivo campo da verdade e de forma imparcial. Ela expressa ideias, questionamentos e críticas à sociedade, querendo o progresso e a renovação no campo político e social. O jornalista procura ter credibilidade e ser instantâneo em suas publicações, com fontes seguras onde não há riscos de haver “fake news”.

Com a tecnologia, a sociedade passou a se relacionar, também, a partir de um ambiente cibernético. Com o advento das redes sociais, a sociedade interage por meio dela tanto pela vertente social quanto pelo lazer, modificando o corpo social, trabalho e meios corporativos.

Analisa-se que a relação do prestador de conteúdo e aquele que lê a notícia está ultrapassada diante do crescente volume de disseminação de conteúdos proporcionado pela internet e pelo fato do indivíduo buscar inserção social, assim manifestam-se as fakes news, que não possuem nenhum comprometimento com a verdade, imbuídas de desinformação.

A teoria do espelho tem como base a ideia de que os jornalistas e quem transmite a notícia, tanto em seu meio jornalístico, quanto em seu blog, vlog, pagina de notícias, jornais, revistas, redes sociais como um todo, refletem o fato do acontecimento e o jornalista faz apenas o reflexo do verdadeiro: “o jornalista é um mediador desinteressado, cuja missão é observar a realidade e emitir um relato equilibrado e honesto sobre suas observações, com o cuidado de não apresentar opiniões pessoais” (PENA, 2005, p. 125)

Ademais, o profissional deve checar todas as informações rigorosamente, tomando seu devido cuidado como prática contínua de erros de gramática ou informações que podem gerar problemas e incredibilidade ao autor. É necessário que esse profissional sempre confronte informações coletadas e faça uma revisão minuciosa para não comprometer a credibilidade do seu texto já que é um dos preceitos mais prezados na relação de confiança entre jornalista e público.

Atualmente, notícias falsas tornam-se rápida demais para sua disseminação com o auxílio de redes sociais. As fake news tem o propósito de defraudar a realidade a partir do uso de recursos da linguagem jornalística, gerando dúvida informativa. O termo fake News está caracterizado a três principais elementos, sendo eles: a informação falsa, o dano ou ameaça de dano que a falsa informação pode causar e o dolo do agente que a dissemina, ou seja, a vontade consciente de enganar e iludir o leitor.

“A internet trouxe novos desafios também na aferição de veracidade das notícias. Se antes a limitação de um boato dificilmente transpassava os limites de uma cidade ou, quando muito, de um país, hoje o boato torna-se global sem grandes dificuldades, com consequências imprevisíveis” (IBCCRIM, 2018, p. 2).

Na notícia ilegítima, pode-se verificar a má utilização da informação para modelar um indivíduo ou quando o verdadeiro conteúdo é compartilhado com informações falsas contextuais, gerando boatos e mentiras expostas as pessoas, que muitas vezes o dano é tão grande que pode causar danos aquele que está sendo atingido pela fake news. No presente, grandes empresas utilizam sites de checagem para detectá-la; o leitor pode utilizar de artifícios para identificar informação inautêntica como consultar especialistas sobre o assunto, achar outras fontes que sustentem as notícias e verificar se os autores realmente existem e são confiáveis facilitando assim descoberta da verdadeira notícia.

A questão que assume demais importância reside no fato empiricamente comprovado de que a criação e disseminação de notícias falsas tem capacidade potencial de influenciar o resultado eleitoral, atingindo o Estado Democrático de Direito em sua essência: a emanação do poder pelo povo, no exercício da escolha de seus representantes políticos, que consiste em Cláusula Constitucional Pétrea (parágrafo único do artigo 1.o, da Constituição Federal).

Deste modo, verificamos que a implantação de notícias falsas, se deprecie com boatos ou relatos ilegítimos, podem prejudicar de forma excessiva a quem esta lendo e propagando esta informação para demais pessoas, gerando mexericos e fofocas desconstrutivas, não agregando nada e nem obtendo informações plausíveis e de grande importância, já que a fake news, só propaga falsas inverdades.

 

Bibliografia

Jornalismo online, Credibilidade & Fake News: Uma breve análise (nucleodoconhecimento.com.br)

Artigo: Cuidado com as fake news (correiobraziliense.com.br)
Fake News na Era da Economia Digital – Canal Compliance (ccompliance.com.br) tratamento-juridico-noticias-falsas.pdf (conjur.com.br)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *